CABELO AZUL: 12 RAZÕES PARA NÃO TER E UMA PARA TER

Esses dias eu pintei meu cabelo de azul e as pessoas ao meu redor ficaram meio que inconformadas. Pelo breve tempo em que estou azulada o que eu mais ouvi foram perguntas como “o que é isso?”, “Por que você pintou seu cabelo de azul?”, “cabelo azul?”, “azul?” e por aí vai.

Minha resposta para “o que é isso?” foi “cabelo azul!”, mas para a pergunta “Por que você pintou seu cabelo de azul?” eu não tenho uma resposta.

Na verdade, para essa pergunta eu tenho uma outra pergunta: “por que não pintar o cabelo de azul?” Infelizmente para essa pergunta eu posso dar muitas respostas.

Argumentos como “não vão me levar a sério”, “dá trabalho”, “é vaidade demais”, “eu não preciso”, “é caro, “vou chamar muita atenção”, “ninguém vai ouvir o que eu tenho para dizer”, “vou me tornar a menina do cabelo azul”, “não é ambientalmente correto”, “não vou apoiar a indústria dos cosméticos” “não sou um anime”, e a “estou velha demais para isso” martelavam em minha cabeça todas as vezes que essa possibilidade passava sutilmente pela minha cabeça.

Só que mesmo tendo mil argumentos contra, eu ainda suspirava pelos cabelos coloridos do Pinterest.

cabelo azul

Passei quatro anos quase sem mexer no meu cabelo, o cultivei com mínimas alterações. Ele chegou até o quadril com algumas poucas pontas claras que haviam sobrado de mechas antigas. Estava longo e escuro, em alguns momentos eu usava um pouco mais ondulado, em outros momentos mais liso.

Ao longo desses quatro anos eu fiz inúmeras umectações com óleo de coco e óleo de rícino, suspendi por um breve momento os shampoos e cremes, fiquei usando apenas vinagre na lavagem, depois vi que não dava.

Troquei meu shampoo por uma versão sem sulfato, depois que acostumei passei a usar o LightPoo da Loreal, depois troquei por um creme baratinho low poo da Kanechom. Aprendi a lidar com os babys hairs toda manhã, a fazer tranças para dormir e modelar o cabelo. Foi um período de aprendizagem, cultivo e apego capilar.

Nesse mesmo período de tempo eu me concentrei em tentar fazer tudo certo e aos poucos o tom escuro do meu cabelo foi se espalhando pelas minhas roupas, minha casa, minhas unhas, acessórios. Busquei uma imagem sóbria como se quisesse provar para mim mesma minha sobriedade, responsabilidade, capacidade e seriedade. No fundo estava me escondendo em toda essa sobriedade.

Qual é a razão para alguém se esconder? As pessoas se escondem por dois motivos, por vergonha ou medo. E vergonha e medo são frutos de insegurança, mas isso é assunto para outra conversa.

Na real eu só quero me olhar no espelho ver meu cabelo azul, me lembrar que tudo é possível e que não preciso me envergonhar ou ter medo de ser quem eu sou.

 

“Nada é permanente, salvo a mudança” Heráclito

Salvar

Você também vai gostar!

Comentários